domingo

Onde nos perdemos e onde nos encontramos

Retornei ao Gênesis capítulo três. Em leituras anteriores e rápidas, não me apercebi da complexidade desse texto, nem de sua profundidade, talvez até tenha percebido, mas com o tempo tornou-se um fato remoto entre tantos outros guardados no armário da minha mente.

Logo de inicio, saltou do texto o fato de que "ser conhecedor do bem e do mal" faria do homem um ser como Deus é, teríamos e temos, três personagens na história da criação conhecedores do bem e do mal, a saber: Deus, Satanás e o Homem.

Satanás e o homem tornaram-se "como Deus" ao conhecer o bem e o mal, mas Deus não se tornou como o homem nem como Satanás por conhecer o bem e o mal. A questão esta no "conhecer" que para os caídos, tornou-se uma experimentação do mal, já para Deus conhecer não está relacionado a experimentação, pois se assim fosse, teríamos uma contradição na revelação que afirma não haver nEle sombra de maldade alguma.

A queda da humanidade é precedida por uma tentação e desejo: Ser igual a Deus, pois "se comeres do fruto seus olhos se abrirão e como Deus se tornarão conhecedores do bem e do mal."

Desde então, todo pecado é fruto desse desejo de ser deus como Deus é. É a criatura tentando ocupar o lugar do criador. Se analisarmos a raiz dos nossos pecados, seja de qual espécie for, perceberemos um mesmo fio condutor que nos foi herdade em Adão: querer ser como Deus.

O oposto da tentação é a mensagem libertadora, pois negar nossa humanidade para assumir uma identidade divina nos afasta de Deus, agora, negar a pretensão de ser divino para assumir a nossa humanidade nos faz ter paz no jardim, mesmo em contato próximo com a serpente e a àrvore do conhecimento do bem e do mal. Quando acolhemos nossa humanidade, percebemos a blasfêmia irracional da tentação de querer ser como Deus.

É impossível ler esse texto e não conectá-lo ao mistério da encarnação de Cristo, o Deus que se faz homem para que o homem possa estar em Deus. O caminho da tentação é querer ser como Deus, o caminho da salvação é estar em Cristo e ser como ele foi, ou seja, ser humano.

A Salvação está intimamente ligada com uma reestruturação da identidade humana, não ser salvo é não se enxergar como homem é viver querendo ser como Deus. Ser alcançado pela salvação é entender e viver a realidade de que, a nossa humanidade expressa a glória do criador e quando nos aceitamos Deus é glorificado. Portanto, engana-se toda religião que busca fazer do homem, tudo menos aquilo que ele realmente é.

Satanás nos distraí com a falsa sensação de ser como Deus.
Cristo nos atraí com o real chamado de ser como somos, como Ele é e como devemos ser.
Em Satanás nos perdemos.
Em Cristo somos encontrados e nos encontramos.

3 comentários:

  1. Mais uma vez mandou muito bem! Parabéns sou sua fã ta ligado neh! heheh

    ResponderExcluir
  2. Huall! Belas palavras caro autor. Elas se tornan mais intensas quando conduzidas pelo Espirito Santo; e, esse foi o efeito em mim,após ler o seu texto. Acrescentar para quê? Se você pôde traduzir o caminho que devemos seguir para encontrarmos Cristo e, a partir daí nos encontrarmos. Em suma, Louvo a Deus pela junção das suas palavras e interpretação de sabedoria que você teve. Espero ler outros textos tão edificantes quanto estes. Fica na Paz!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir