quinta-feira


“Vós, na verdade intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida”
Gn. 50.20

Não subestime os pequenos começos, assim nos ensina a história do menino que virou escravo, o escravo que virou prisioneiro, o prisioneiro que se tornou governador, o governador que construiu um império.

Eis a história de José, o menino caçula da família que foi visitado por Deus e teve sonhos de grandeza. Sonhos onde seus irmãos se prostrariam diante da sua grandeza, tal grandeza do sonho é espelhada na dificuldade da vida. Foi assim com a vida de José que de sonhador, viu-se escravo em uma terra distante. Ele estava longe do seu clã, longe de seu pai que o cuidava como o filho predileto, estava longe do embrião daquilo que se chamaria povo de Deus.

José tinha tudo para desistir, reclamar e até não crer no Deus que lhe deu os sonhos, todavia, ele não ousa em nenhum instante “pecar contra o seu Deus”. Diante da incorruptibilidade do seu caráter em um contexto de corrupção, a escolha por agradar a Deus, faz com que ele seja (dês) promovido para prisioneiro. Eis mais uma etapa da vida do menino que virou escravo, do escravo que virou prisioneiro.

Na prisão, manteve-se sensato, com os olhos em Deus e Deus lhe presenteou com um dom de interpretar sonhos. Mesmo que os outros que foram ajudados por ele não lhe mantiveram a palavra, ele ainda manteve a confiança em Deus, sabendo que é Ele quem governa a história. Sabia que no momento certo Deus iria cumprir o que tinha plantado em seu coração. Ele não subestimou, nem por um instante os pequenos começos, por mais humilhantes e injustos que podiam ser. José, nos ensina o que é vocação: “Fazer bem feito tudo o que lhe vier as mãos para fazer”.

Diante de Faraó, ele não tremeu. Confiou no Senhor e utilizou do dom que havia recebido da parte de Deus. Não se corrompeu diante da promoção dada por Faraó, tornou-se o homem mais importante depois do próprio rei. Tinha poder para fazer o que bem entender, mesmo assim, abriu mão de toda ganância para cuidar do povo que iria sofrer com o flagelo da fome e escassez de alimento. Salvou muita gente e criou um império.

O Egito, ao acumular alimento suficiente para alimentar os povos vizinhos, conseguiu criar uma grande fonte de renda por longos anos, além de enriquecer, agregou povos a sua volta que foram afetados pela fome. Muitos saíram de suas terras para se abrigar no Egito e seu entorno, como não tinham como pagar, venderam-se como escravos, além de riqueza a estratégia de José rendeu ao Egito mão de obra para os anos futuros. Estabeleceu-se, a partir de José, uma das maiores nações do mundo antigo e o cenário da maior manifestação de Deus no Antigo Testamento. Ele não subestimou os pequenos começos, não subestimou a cisterna, a casa de Potifar, a prisão do Egito e nem o Palácio de Faraó, em toda a situação serviu a Deus com alegria e boa vontade.

José do Egito nos faz lembrar o homem que mesmo sendo Deus, não se apegou ao fato de ser Deus, antes deixou sua glória tornando-se homem, sendo homem serviu, ao serviu se entregou para a morte, morte de cruz e por não subestimar os pequenos começos o Pai lhe exaltou sobre todos os nomes quer no céu, na terra ou debaixo da terra.

José, o menino que virou escravo, o escravo que virou prisioneiro, o prisioneiro que virou governador, o governador que construiu um império.

Cristo, o Deus que ser fez homem, o homem que se fez servo, o servo que se deu por sacrifício, o sacrifício que como “vedes agora, conservou muita gente em vida”.


2 comentários:

  1. É isso aí, mano! Boa reflexão!
    Deus abençoe, macaco!
    Abração.

    ResponderExcluir
  2. Olá,nossa adoro esse blog,só tem artigo bom,sempre que dá estou passando aqui,depois que meu amigo me recomendo nunca mais deixei de visitar,alguem sabe me falar se assim aqui é bom http://www.softwarecelularespiao.org ? abraços,assim que der eu volto pra comentar aqui no blog

    ResponderExcluir